5 Maneiras de Gerenciar os Riscos

Por em abril 29, 2014 - Visualizado 18391 Vezes

Vamos ser sinceros, você está confiante e acredita que seu projeto será um sucesso, mas… Sempre existe a possibilidade que algo possa dar errado. Essas coisas que podem dar errado, em projetos, são chamadas de riscos. Um gerente de projetos experiente costuma identificá-los no início do projeto para que tenha a chance de poder fazer alguma coisa por eles. Evidentemente, a gestão de riscos não é uma atividade restrita ao planejamento, ela é contínua ao longo do controle de todo o projeto, sendo prudente o monitoramento da lista, com a identificação e registro de novos riscos quando eles surgirem.

Criar uma lista de riscos é um bom ponto de partida, mas somente isso não é suficiente. A preparação de um plano de ação por risco é extremamente útil (e necessário), pois sem isso a capacidade de gerenciá-los de maneira eficaz será muito limitada. Considerando as principais, temos 5 maneiras para gerenciar riscos: aceitar, evitar, transferir, mitigar (atenuar) ou explorar. A seguir uma visão detalhada de cada uma.

1. Aceitar o Risco

Aceitar o risco significa que enquanto você o tiver identificado e registrado no seu plano de gerenciamento de riscos, você não vai tomar nenhuma ação. Simplesmente você aceita que ele possa acontecer e decidirá como lidar com ele caso ocorra.

Esta é uma boa estratégia para usar com riscos muito pequenos. Aqueles que não tenham muito impacto sobre seu projeto e caso aconteçam, podem ser facilmente tratados quando surgirem. Você poderia consumir muito tempo para preparar uma estratégia de gerenciamento desses riscos ou tomar ações de alto custo para lidar com eles, por isso, às vezes para uma melhor utilização dos seus recursos é melhor não fazer nada para pequenos riscos.

2. Evitar o Risco

Você pode modificar completamente as ações planejadas para evitar o risco. Esta é uma boa estratégia quando um risco é potencialmente de grande impacto em seu projeto. Exemplo, normalmente em Janeiro a equipe de Finanças de sua empresa está ocupado realizando apuração de contas corporativas. Planejar a homologação do novo Módulo Financeiro, na qual serão necessários membros dessa equipe em Janeiro, que precisarão aprender um novo processo, provavelmente não vai ser uma ótima ideia.

Há um risco de que a apuração de contas não seja realizada. Porém, é mais provável, que exista um grande risco de você não conseguir preparar a equipe de Finanças para usar o novo processo, nem poder utilizá-la na homologação, uma vez que todos estarão muito ocupados em Janeiro. Em vez disso, seria melhor evitar o mês de Janeiro completamente, alterando o plano e o calendário do projeto agendando o treinamento e homologação do Módulo Financeiro a partir de Fevereiro, quando o grosso do trabalho de contabilidade já terá terminado.

3. Transferir o Risco

Transferência é uma estratégia de gerenciamento de risco que não é utilizada muito frequentemente, e tende a ser mais comum em projetos onde há várias partes. Basicamente, você transfere o impacto e gestão do risco para outra pessoa. Exemplo, você tem um terceiro contratado para escrever o seu código de software, pode então transferir o risco de possíveis erros no código para o terceiros. Ele será responsável por gerenciar esse risco.

Normalmente as transferências são formalizadas em contratos de projetos. Seguro é outro bom exemplo. Caso transporte de equipamentos seja parte de seu projeto e o veículo foi envolvido em um acidente, a companhia de seguros será responsável por fornecer equipamentos novos para substituir qualquer um danificado. A equipe do projeto reconhece que o acidente pode acontecer, mas não será responsável por lidar com kits de substituição, ou pagar pelos danos, pois agora é responsabilidade da companhia de seguros.

4. Mitigar o Risco

Mitigar um risco é provavelmente a técnica gerenciamento de riscos mais utilizada. Também é a mais fácil de compreender e de implementar. Mitigar significa que você pode limitar o impacto de um risco, de modo que mesmo que ele ocorra, o problema gerado é menor e mais fácil de corrigir.

Exemplo, a empresa lança um produto novo e a equipe de vendas precisa demonstrar para os clientes. Há um risco que a equipe de vendas não conheça o produto e não consigo dar boas demonstrações. Como resultado, vão fazer menos vendas e haverá menos receita para a empresa.

Uma estratégia de mitigação para esta situação seria fornecer um bom treinamento para a equipe de vendas. Pode ainda ocorrer que alguns membros da equipe não aproveitem bem, ou que percam a sessão de treinamento, ou eles simplesmente não são especialistas naquele tipo de produto e nunca conhecerão o produto a fundo, mas o impacto do risco será muito reduzido, uma vez que a maioria da equipe será capaz de demonstrá-lo com eficiência.

Como neste exemplo, você pode atenuar o impacto, mas você também tem a chance de atenuar a probabilidade de o risco acontecer. Em geral as ações serão as mesmas, mas às vezes, você terá algumas tarefas para reduzir a chance de o risco acontecer e algumas tarefas separadas para fazer o impacto do risco menor, caso ele aconteça.

5. Explorar o Risco

Aceitar, evitar, transferir e mitigar são estratégias excelentes para usar quando o risco tem um impacto negativo sobre o projeto. Mas, o que acontece se o risco tem um impacto positivo? Exemplo, o risco de que o novo produto seja tão popular que a empresa não tem pessoal suficiente na equipe de vendas para fazer as demonstrações? Esse é um risco positiva – algo que seria vantajoso para o projeto e consequentemente para a empresa se ele acontecer. Nesses casos, queremos maximizar a chance do risco acontecer, de não parar de acontecer ou de transferir o benefício conseguido para alguém!

A estratégia de gestão de risco para usar nestas situações é explorar. Procure maneiras de fazer o risco acontecer ou formas de aumentar o impacto se ele ocorrer. Podemos treinar algumas pessoas juniores da equipe de administração para realizar também as demonstrações do produto e realizar mais campanhas de marketing, para aumentar o interesse no novo produto, e deixar as pessoas preparadas para demonstrações se necessário.

Essas são as 5 estratégias de gestão de risco que podem ser usadas para gerenciar riscos em qualquer projeto. Você provavelmente vai usar uma combinação de técnicas, escolher as estratégias que melhor se adaptam aos riscos no seu projeto e às competências de sua equipe. Embora seja você que decida qual a abordagem para o risco, certifique-se de que você faça o registro no plano de ação para o risco e o mantenha atualizado com o objetivo de gerenciar seus riscos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

InspectorWordpress has prevented 235 attacks.